O CLÁSSICO DE MEDICINA DO IMPERADOR AMARELO: SUWEN CAPÍTULO 1

O CLÁSSICO DE MEDICINA DO IMPERADOR AMARELO: SUWEN CAPÍTULO 1 (parte 2)
19 de março de 2019
A FIDELIDADE DE UM TIGRE
19 de março de 2019
Mostrar tudo

O CLÁSSICO DE MEDICINA DO IMPERADOR AMARELO: SUWEN CAPÍTULO 1

A VERDADE UNIVERSAL – parte 1

 

Em tempos antigos o Imperador Amarelo, Huang Di, tinha a fama de ser uma criança prodígio. Enquanto crescia, mostrava-se uma criança sincera, sábia, honesta e compassiva. Tornou-se muito instruído e desenvolveu poderes aguçados para observar a natureza. Seu povo reconhecia sua liderança natural e o escolheu como Imperador.

Durante seu reinado, Huang Di discursava sobe medicina, saúde, estilo de vida, nutrição e cosmologia Taoista com seus ministros Qi Bo, Lei Gong e outros. Sua primeira discussão começou quando Huang Di colocou a seguinte questão, “Ouvi falar sobre os dias de antigamente, nos quais as pessoas viviam por cem anos sem demonstrar sinal algum de envelhecimento. Hoje em dia, entretanto, as pessoas envelhecem prematuramente, vivendo apenas cinquenta anos. A razão disso é a mudança no ambiente, ou é porque as pessoas perderam os modos corretos de se viver?”

Qi Bo respondeu, “No passado, as pessoas praticavam o Tao, o Caminho para a Vida. Elas compreendiam o princípio do equilíbrio, do yin e do yang e como as transformações da energia do universo se davam. Assim, elas desenvolveram práticas como o Dao-in (Do-in), um tipo de exercício que combina alongamentos, massagem e respiração que promovem o fluxo de energia e a meditação para ajudar a mante-los em harmonia com o universo. Eles mantinham uma dieta balanceada e regular, levantavam-se e deitavam-se de forma regular, evitavam o excesso de estresse tanto para o corpo quanto para a mente, e refreavam-se de todos os tipos de excesso. Eles cultivavam o bem estar do corpo e da mente, e por isso, não surpreende o fato de que viviam mais de cem anos.

Hoje em dia, as pessoas vivem de forma diferente, elas bebem vinho como se fosse água, permitem-se exageros em atividades destrutivas, drenam seu jing (a essência do corpo estocada nos rins) e desgastam seu qi. Elas desconhecem os segredos da conservação da energia e da vitalidade. Elas buscam excitação emocional e prazeres momentâneos, desrespeitando o ritmo e a ordem naturais do universo. Elas não conseguem regular seu estilo de vida e sua forma de se alimentar e dormem de forma imprópria. Por isso não se deve surpreender com o fato de que têm a aparência envelhecida aos cinquenta anos de idade e morrem precocemente.

Os grandes sábios dos tempos antigos aconselhavam as pessoas para que se precavessem contra zei feng, ou fatores que causam doenças. Em nível mental, a pessoa deveria se manter calma e evitar desejos e fantasias demasiados, procurando manter a pureza e a clareza naturais da mente. Quando as energias internas conseguem fluir livre e tranquilamente e a energia da mente não é dissipada, mas focada e concentrada, pode-se evitar os distúrbios e as doenças.

Antigamente, as pessoas levavam uma vida calma e honesta de forma desapegada de desejos e ambições, elas viviam de forma consciente e destemida. Elas eram ativas, sem nunca se exaurir. Essas pessoas conheciam o contentamento, pois viviam de forma simples, e refletiam essa atitude na forma de se alimentar e de se adaptar às mudanças climáticas. Porque estavam felizes com sua posição na vida, nunca sentiam inveja ou ganância. Elas tinham compaixão e ajudavam umas as outras, eram honestas umas com as outras, livres de hábitos destrutivos. Elas permaneciam firmes e não se deixavam influenciar pelas tentações e tinham a capacidade de se manter centradas mesmo quando as adversidades surgiam. Elas tratavam os outros de forma justa, independente de seu nível social ou intelectual.”

Fonte:

Maoshing NI . The yellow emperor´s classic of medicine: the essential text of Chinese health and healing. Shambala. Boston and London, 1995.

Tradução: Bianca Brasil Komesu