O CLÁSSICO DE MEDICINA DO IMPERADOR AMARELO: SUWEN CAPÍTULO 1 (parte 3 – final)

Tao Te Ching: capítulo 26
19 de março de 2019
Ling Shu capítulo 3 (parte 2 – final): Uma explicação sobre as minúcias do agulhamento
19 de março de 2019
Mostrar tudo

O CLÁSSICO DE MEDICINA DO IMPERADOR AMARELO: SUWEN CAPÍTULO 1 (parte 3 – final)

A VERDADE UNIVERSAL – parte 3 final

Huang Di perguntou, “Ouvi dizer que algumas pessoas dos tempos antigos eram chamadas de imortais, e que essas pessoas conheciam os segredos do universo e que conseguiam segurar o yin e o yang, o universo, em suas mãos. Elas extraiam energia da natureza e praticavam diversas disciplinas como o Dao-in e o Qi Gong, e exercícios de respiração e de mentalização para a integração do corpo, mente e espírito. Elas não se permitiam perturbar e por isso atingiam níveis extraordinários de realizações. Você pode me falar mais sobre essas pessoas?”

Qi Bo respondeu, “Os imortais mantinham a energia da mente focada e refinada, e harmonizavam seu corpo com o ambiente e desta forma não demonstravam sinais de envelhecimento normais e eram capazes de viver além de suas limitações biológicas.

Não muito tempo atrás, havia pessoas que eram conhecidas por seu êxito e por alcançarem a verdadeira virtude, por entenderem a forma de viver e por se adaptarem e harmonizarem ao universo e às estações. Eles também eram capazes de manter sua energia mental através da concentração correta.

Esses seres de êxito não viviam como seres humanos normais, que costumavam abusar de si mesmos. Eles tinham a capacidade de viajar livremente, uma vez que não eram regidos pelas leis do tempo e do espaço. Sua percepção sensorial ia além do normal e seu poder de audição e visão ia muito além do que as de qualquer ser humano normal. Eles também tinham a capacidade de preservar seu tempo de vida e viver em plena saúde, tanto quanto os imortais.

Existiu também um terceiro tipo de pessoa, conhecido como sábios. Os sábios viviam em paz entre o céu e a terra, seguindo os ritmos do planeta e do universo. Eles se adaptavam à sociedade sem serem levados por tendências culturais. Eram livres de quaisquer extremos emocionais e viviam em equilíbrio e em contentamento com sua existência. Sua aparência, comportamento e forma de pensar não refletiam as normas conflituosas da sociedade. Os sábios aparentavam ocupados, mas sem nunca se desgastar. Internamente, eles sabiam como não sobrecarregar a si mesmos. Eles permaneciam calmos, sempre em reconhecimento da natureza vazia da existência fenomenológica. Os sábios viviam além dos cem anos porque não dispersavam e nem desperdiçavam suas energias.

O quarto tipo de pessoa era composto por pessoas normais que seguiam o Tao, chamadas de naturalistas. Elas viviam de acordo com os padrões rítmicos das estações: céu e terra, lua, sol e estrelas. Elas aspiravam viver como os antigos, de forma a não ter estilos de vida com tendência aos excessos. Elas também viviam de forma plena e gozavam de vida longa.”

Fonte:

Maoshing NI . The yellow emperor´s classic of medicine: the essential text of Chinese health and healing. Shambala. Boston and London, 1995.

Tradução: Bianca Brasil Komesu