Ling Shu capítulo 3 (parte 1): Uma explicação sobre as minúcias do agulhamento

Ling Shu capítulo 3 (parte 2 – final): Uma explicação sobre as minúcias do agulhamento
19 de março de 2019
O CLÁSSICO DE MEDICINA DO IMPERADOR AMARELO: SUWEN CAPÍTULO 1 (parte 2)
19 de março de 2019
Mostrar tudo

Ling Shu capítulo 3 (parte 1): Uma explicação sobre as minúcias do agulhamento

“Nesta discussão sobre a utilização das agulhas, é fácil fazer afirmações. As palavras em si são fáceis, a dificuldade está na profunda compreensão e na aplicação de tais palavras. O médico inexperiente consegue apenas entender a forma, quando utiliza as técnicas da acupuntura. O médico superior conhece o espírito e sua compreensão sobre o homem inclui sangue e qi, excesso e deficiência, tonificação e dispersão. O espírito e o convidado, o correto e o perverso, todos se encontram. O espírito é o qi correto, o convidado é o qi perverso. Localizado à porta significa que o qi perverso persegue o qi correto através dos lugares por onde ele entra e sai. Não fique somente olhando para a doença. Comece por entender o qi perverso e o qi correto e quais canais estão acometidos. Primeiro entenda quais canais estão doentes e trate-os nestes locais de entrada e saída.

 

“A acupuntura e o agulhamento dependem de velocidade precisa: método lento ou rápido. O médico inexperiente apenas protege os portões. Ele conhece os quatro membros, mas não compreende as idas e vindas do sangue e do qi. O médico superior conhece as sutilezas. Ele sabe como lidar com o qi, como os movimentos das energias sutis nunca se separam do centro do qi. Ele sabe quando o qi está vazio ou cheio e quando o agulhamento deve ser lento ou rápido. No centro existem energias sutis que são límpidas, silenciosas e minuciosas. O agulhamento é eficaz quando se obtém qi. Pense bem em como obter o qi sem perde-lo. Quando o qi estiver vindo, não colida com ele. Quando o qi estiver cheio, não tonifique. Quando o qi estiver indo, não o persiga. Quando o qi estiver vazio, não disperse. Existe um provérbio que diz que o qi está por um fio e este provérbio significa que é fácil perde-lo. A analogia de se puxar o arco mas não conseguir lançar a flecha ao alvo traduz alguém que não compreende a teoria da tonificação e da dispersão, ou a exaustão de sangue e de qi, ou como prender o qi nocivo. Para conhecer o qi e conhecer como e quando trata-lo, a pessoa deve compreender seus movimentos de ir e vir, seu fluxo e contrafluxo, assim como a plenitude e o vazio. A importância dos ciclos deve ser compreendida e o exato momento de se obter o qi. Estas portas estão fechadas aos médicos inexperientes. A ignorância e a escuridão não conhecem os segredos sutis do qi. Maravilhoso é aquele que possui técnicas singulares e que compreende a teoria do agulhamento.

Fonte:

Wu Ling-Nuan . Ling shu or the spiritual pivot.

Asian Espirituality, Taoist Studies Series.

Tradução: Bianca Brasil Komesu